Dicas de cuidado com sua Embreagem


Na última matéria demos dicas de como cuidar de seu freio, dessa vez a sua embreagem entra na matéria.

Durabilidade do sistema depende de bom uso pelo motorista e de correto manuseio pelo aplicador Problemas na embreagem podem ter várias origens, mas, em geral, o “culpado” é sempre o mesmo: João, Maria, Antônio... Ou seja, o motorista do veículo.

Descansar o pé sobre o pedal da embreagem é, muitas vezes, um hábito quase automático, mas provoca aquecimento excessivo do sistema e desgaste prematuro dos componentes.

Não é freio
“Segurar o veículo em uma rampa utilizando a embreagem como freio também encurta a vida útil do conjunto”, alerta Fernando Silva, analista de produtos do aftermarket da ZF do Brasil. Você já passou na autoescola (assim esperamos), não faça rampa, nessas situações, recorra sempre ao freio de estacionamento (freio de mão). A lista de vilões não pára por aí: excesso de carga, arrancadas e reduções de velocidade bruscas, sair com o veículo em segunda marcha etc.

O manuseio incorreto pode, também, prejudicar o funcionamento e a vida útil do conjunto.

“A impregnação do disco de embreagem por óleo ou graxa, por exemplo, pode ocasionar perda de potência devido à patinação ou vibrações indesejáveis no veículo em função da trepidação”, explica Fernando Silva.

Ela acontece, em geral, quando há danos no retentor do volante do motor, falhas nas vedações do sistema de acionamento hidráulico, quando o retentor do eixo piloto está em mau estado ou quando o aplicador manuseia as peças com as mãos sujas de óleo ou graxa.

Armazenamento
Apesar de sua aparência robusta, as embreagens possuem componentes sensíveis, como as molas de retrocesso do platô. Quando deformadas devido a impactos na peça, causarão dificuldade no engate. Para evitar esse tipo de problema, os discos de embreagem e os kits da linha leve devem ser empilhados verticalmente.

Abaixo a pirataria
Lançar mão de embreagens recondicionadas por economia é sinônimo de dor de cabeça. Segundo o analista Fernando Silva , os recondicionadores não tomam cuidados básicos, como balanceamento do conjunto da embreagem e substituição de componentes que apresentam desgaste excessivos (como molas helicoidais do disco e mola membrana do platô).

“Embreagens recondicionadas podem apresentar problemas de patinação, trepidação, ruído ou problemas mais sérios, como superaquecimento do conjunto ou centrifugação do disco de embreagem”, pois não seguem nenhum padrão de qualidade –como ISO ou QS 9000. As embreagens remanufaturadas possuem o mesmo padrão de qualidade que a peça nova, já que somente os componentes estruturais são reaproveitados.

Fonte